Ao optar pela contratação de uma assessoria no Brasil, deve o investidor internacional observar se essa empresa proporciona ao seu cliente um atendimento personalizado, entendendo que cada cliente é um cliente único com necessidades peculiares.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

O “X” da Questão

Conselhos que todo Investidor Internacional deveria ouvir ao Investir no Mercado Imobiliário Brasileiro

Tamanho não é Documento

Dois dos nossos mais expressivos clientes chegaram ao escritório com histórias praticamente idênticas: ambos eram empresários de grande porte, cada qual em seu país e ramo de atuação; ambos ao decidirem investir no Brasil procuraram informações junto a CEOs de grandes empresas de seus respectivos países; ambos foram aconselhados a contratar escritórios de advocacia de grande porte localizados na cidade de São Paulo; e ambos se deram muito mal seguindo esse conselho.

Não vai aqui nenhuma crítica aos citados clientes, naturalmente caso nós estivéssemos naquela posição certamente também teríamos cometido o mesmo erro, afinal São Paulo é a maior cidade da América Latina, e berço dos mais renomados escritórios do nosso país.

É comum, e é até compreensível, atribuir a grandes firmas de advocacia a excelência de qualidade na gestão de negócios, e talvez em alguns casos pode até ser verdade, mas a experiência tem nos demonstrado que na grande maioria das vezes essas expectativas não são correspondidas.

Pessoalmente sou oriundo de um desses grandes escritórios, portanto, tive a oportunidade de vivenciar na prática a rotina dessas empresas. Essas grandes firmas adotam como estratégia de aumento do faturamento o atendimento a um grande volume de clientes.

Nada de errado nessa estratégia, contudo, ela apresenta um efeito colateral grave, os profissionais envolvidos na administração da conta do cliente são constantemente pressionados e sobrecarregados ao ponto de tornar-se humanamente impossível prestar uma adequada assessoria de gestão, e ao mesmo tempo receber um volume tão grande de clientes, e ainda de ter que comparecer às audiências e elaborar diversas petições diariamente.

Daí então que decorrem os erros e falhas que prejudicam diretamente os negócios dos clientes. Nos casos citados no início desse artigo, um deles viu-se envolvido em um inquérito da Polícia Federal pela prática de crime contra a ordem tributária, isso por força de erros (primários) cometidos pelo seu escritório de São Paulo no preenchimento dos requisitos do sistema de controle e registro de capital estrangeiro do Banco Central – SISBACEN.

Já o outro cliente tinha seus negócios a tal ponto mal administrados pelo escritório de São Paulo, que além de estar perdendo faturamento pela falta de gestão adequada, a empresa estava na séria iminência de sofrer diversas ações de natureza trabalhista pela inobservância do simples ato de efetuar-se o devido registro na carteira de trabalho de seus funcionários.

Interessante notar por fim que ambos os clientes também tiveram um discurso bem parecido ao contratar os nossos serviços, um deles nos disse: “nunca imaginei que pudesse contar com um serviço desse nível de qualidade disponível numa cidade pequena”, já o segundo nos confidenciou: “gostaria muito de ter conhecido a sua empresa antes de contratar o escritório de São Paulo, teria me poupado tempo e dinheiro”.

Ao optar pela contratação de uma assessoria no Brasil, deve o investidor internacional observar se essa empresa proporciona ao seu cliente um atendimento personalizado, entendendo que cada cliente é um cliente único com necessidades peculiares, mas nunca somente considerar como fator decisório o tamanho da estrutura da empresa, seu reconhecimento internacional, ou o volume de clientes atendidos por essa empresa.

Pois, meu amigo leitor, assim como no ditado popular, quando o assunto é a contratação de uma empresa de consultoria para assessorar seus investimentos imobiliários no Brasil, definitivamente tamanho não é documento.

Ricardo Fortuna
CEO – Fortuna

Confira todos os posts da série: O "X" da Questão

O "X" da Questão

Se eu fosse você não investiria no Brasil

Iremos abordar aqui os erros mais comuns que os investidores internacionais cometem no Brasil, e os conselhos que todos deveriam escutar, mas por hora vamos apenas explicar o porquê do título desse artigo.

O "X" da Questão

Não economize tostão gastando milhão

Recebi em meu escritório investidores estrangeiros que apresentavam situações jurídicas, tributárias, e até mesmo criminais, gravíssimas por decorrência de erros cometidos na condução de seus negócios no Brasil.

O "X" da Questão

Não confunda Consultor com Corretor

Um dos erros mais comuns que observo nos investidores estrangeiros que procuram o Brasil para adquirir imóveis é tratar o profissional de corretagem como um consultor de investimentos.

Sou Gringo e agora?
O "X" da Questão

Sou Gringo

O uso dessa palavra para descrever um visitante, ou residente, oriundo de outro país sempre me pareceu ser a prova de que o estereótipo que alguns fazem da América Latina é justificado.

Últimas Palavras
O "X" da Questão

Últimas palavras

A série “O X da Questão” é o resultado da compilação dos casos mais recorrentes envolvendo investidores internacionais ao longo desses 20 anos de atuação.

Shape

Consultoria Legal e Gestão de Patrimônio para o Investidor Internacional no mercado imobiliário brasileiro

Consultoria Legal e Gestão de Patrimônio para o
Investidor Internacional no mercado imobiliário brasileiro