Iremos abordar aqui os erros mais comuns que os investidores internacionais cometem no Brasil, e os conselhos que todos deveriam escutar, mas por hora vamos apenas explicar o porquê do título desse artigo.

Compartilhe

Share on whatsapp
Share on telegram
Share on facebook
Share on linkedin
Share on twitter
Share on email

O “X” da Questão

Conselhos que todo Investidor Internacional deveria ouvir ao Investir no Mercado Imobiliário Brasileiro

Se eu fosse você não investiria no Brasil…

Um dos maiores gênios que a música brasileira já conheceu, que dentre tantas realizações foi um dos percursores da Bossa Nova, maestro Tom Jobim, certa feita afirmou: “O Brasil não é para iniciantes”.

Certamente o saudoso maestro não estava se referindo a questões envolvendo investimentos imobiliários no Brasil, mas mesmo assim não poderia ter sido mais preciso em sua análise.

A essa altura você deve estar dizendo: esse cara é louco! Afinal, como uma empresa que cuida dos interesses de investidores internacionais no marcado imobiliário brasileiro pode fazer tal afirmação?

Até onde eu posso lhes assegurar, minha sanidade mental está perfeita. Então, se não somos loucos, qual a razão que me faz afirmar com tamanha segurança o que consta do título desse artigo?

Em minha experiência ao longo de mais de uma década assessorando clientes estrangeiros no Brasil, não    raras vezes, fomos procurados por investidores de grande sucesso e experiência no cenário internacional que, ao aportarem em terras brasileiras, cometeram erros tão infantis, que quando não lhe tomaram muito dinheiro e energia, esses erros transformaram, em questão de dias, o seu sonho tropical de ganhos financeiros em uma tempestade de inverno de grandes prejuízos.

Ao longo de nossas conversas iremos abordar aqui os erros mais comuns que os investidores internacionais cometem ao buscar o mercado de imóveis no Brasil, e os conselhos que todos deveriam escutar, mas por hora vamos apenas explicar o por quê do título desse artigo.

Se eu fosse você… (um estrangeiro que desconhece completamente a legislação, a cultura, o idioma, o caráter das pessoas do local, e estivesse interessado em aproveitar as promissoras oportunidades de ganhos) eu não investiria no Brasil… (sem antes estar plenamente assessorado por uma empresa sólida, com anos de experiência no mercado, que fale meu idioma, ou então que domine um idioma em que eu me comunique, para me guiar ao longo da minha jornada de investimentos nesse país.)

Vamos nos falando.

Ricardo Fortuna
CEO – Fortuna

Confira todos os posts da série: O "X" da Questão

O "X" da Questão

Não economize tostão gastando milhão

Recebi em meu escritório investidores estrangeiros que apresentavam situações jurídicas, tributárias, e até mesmo criminais, gravíssimas por decorrência de erros cometidos na condução de seus negócios no Brasil.

O "X" da Questão

Não confunda Consultor com Corretor

Um dos erros mais comuns que observo nos investidores estrangeiros que procuram o Brasil para adquirir imóveis é tratar o profissional de corretagem como um consultor de investimentos.

Sou Gringo e agora?
O "X" da Questão

Sou Gringo

O uso dessa palavra para descrever um visitante, ou residente, oriundo de outro país sempre me pareceu ser a prova de que o estereótipo que alguns fazem da América Latina é justificado.

Tamanho não é Documento
O "X" da Questão

Tamanho não é Documento

Ao optar pela contratação de uma assessoria no Brasil, deve o investidor internacional observar se essa empresa proporciona ao seu cliente um atendimento personalizado, entendendo que cada cliente é um cliente único com necessidades peculiares.

Últimas Palavras
O "X" da Questão

Últimas palavras

A série “O X da Questão” é o resultado da compilação dos casos mais recorrentes envolvendo investidores internacionais ao longo desses 20 anos de atuação.

Shape

Consultoria Legal e Gestão de Patrimônio para o
Investidor Internacional no mercado imobiliário brasileiro